11 abril 2016

#ColdplayRio: minha experiência

Oie!
Mais um sonho realizado, fui ao show desses lindos do Coldplay! *-* Estou muito feliz, o show foi muito mágico, bem projetado e organizado. Entraram no palco certinho no horário previsto e arrasaram. Deixa eu contar detalhe por detalhe, porque acho válido.



Indo para o Show
O show aconteceu no estádio Maracanã, e escolhi ir pra lá de ônibus. Os portões pro show abriram às 16h, mas me planejei para chegar lá depois do pôr do sol, porque ninguém merece ficar torrando lá no Maracanã, né. Peguei um até a prefeitura, e de lá peguei o 464 que me deixou lá na frente. Foi fácil encontrar a entrada para o meu setor (comprei superior sul, porque era o que o dinheiro permitia... rs), e passei pela segurança rapinho. Cheguei lá bem na hora que a Tiê estava acabando de cantar A Noite, a única que eu queria ouvir mesmo, rsrs.

Aguardando o Show
Teve a Tiê ( que eu só consegui ouvir a última música) e também teve a Lianne La Havas, que eu não conhecia, mas que gostei - ela tem uma voz muito boa e músicas legais também. Depois que ela saiu do palco, ficamos aguardando meia hora pro início do show, e eu aproveitei pra comer um lanchinho e tirar umas fotos.

No Show
Assim que deu 21h, as pulseiras de todos acenderam em vermelho e todo mundo ficou muito doido de agitação porque eles estavam entrando no palco. Mostraram uns vídeos de pessoas dos países da turnê mandando um recadinho pra nós do Rio - o primeiro recado era de uma galera da Argentina e daí o povo culto desse nosso Brésil começou a vaiar, ai que vergonha. A primeira música foi A Head Full of Dreams, a música que dá título ao último álbum e a essa turnê. Os efeitos do telão e as luzes estavam muito bonitos. Logo em seguida tocaram Yellow, e ai que emoção que foi, fiquei muito feliz, cantando com as mãozinhas pra cima ~ \o/ ~ hehehe.

Aliás, olha logo aqui a linda setlist do show:

Linda né??? Claro. Cantaram todas as lindas que eu gosto  (e provavelmente o maracanã todo também). Chorei com The Scientist? Achei que ia, mas chorei não. Não chorei com nenhuma música, - estava muito eufórica pra isso - mas lembrei de várias fases da minha breve vida em que essas músicas serviram de trilha sonora - é muita ternura *-*.

Paradise foi muito amorzinho <3 Saudades ensino médio, fase boa.


Descobri que gosto muito de Everglow:

So how come things move on
How come cars don't slow
When it feels like the end of my world
When I should but I can't let you go?


É, bem como as perguntas que me faço...

Com Princess of China, me senti como a Rihanna, cantanto "ooooOoOh, OoOh, OoOh Cause you really hurt me" from the top of my lungs.

Quando cantaram Magic, fiquei ali tendo uns pensamentos filosóficos de que magia é um negócio de perspectiva. Toda a produção do show, as luzes, as pulseiras e pirotecnia deixou tudo muito mágico mesmo, sem dúvidas.

Gente, quando tocaram clocks fiquei muito doida, hahaha.  Acho que é a minha favorita, e foi meu toque no celular por um tempão. O Jonny e aquela guitarra quase me matam do coração.

Hymn for the weekend foi legal, muitas luzes e tal, Fix you foi lindinha, todos cantando juntos, mas aí fiquei meio tristinha de estar lá no show sem um 'you' pra eu dedicar a música... rs

Viva la vida também foi muito legal e emocionante porque ela é assim mesmo, né.

Depois dessa fiquei muito feliz de ouvir Shiver porque me lembrou de uns amigos, até filmei - mas aff, shiver é muito triste, né? muito coração partido... sofrência demais (e eu amo... haha)

So you know how much I need you
But you never even see me, do you?
And is this my final chance of getting you?

Outros momentos legais do show foi quando o Chris chamou 3 casais igual ele fez lá em SP, pra eles noivarem lá no palco. Depois que fizeram os pedidos, o Chris deu um abraço em todos, foi lindo. Queria até ficar noiva pra ir lá ganhar um abraço dele... rs. Também teve o momento épico em que um fã subiu no palco correndo e deu um beijo no Chris que estava tocando piano, ele saiu correndo logo em seguida e vieram uns 10 seguranças atrás dele, mas o Chris foi super tranquilo e mandou um "calma galera, ele só queria me dar um beijo, tá tudo bem, fiquem de boas" em inglês, claro.

Volta pra Casa
Assim que eles deram tchauzinho pra gente, a multidão começou a procurar as saídas. O show acabou uns minutinhos antes da meia noite, mas eu só consegui chegar na estação do metrô 00h30. Daí peguei uma fila pra comprar o bilhete, mas depois disso foi tranquilo. Fui até Vicente de Carvalho, de lá peguei um BRT Semi-Direto pro Fundão, e do fundão um ônibus pra ilha - cheguei em casa 1h30. Pouca coisa mais rápido que a barra.

Umas comparações
Na volta pra casa fiquei lembrando um pouco do Rock in Rio e fiquei comparando com esse show. O que vi de vantagem do show ter sido no Maracanã é que foi mais fácil chegar lá, eu fiquei em um setor com cadeiras, o que foi bom porque deu pra descansar sempre que precisei e não tive o problema de ter que ficar procurando um lugar bom pra enxergar sem pessoas altas na minha frente. Também gostei do fato de ter vendedores que traziam água e comidas até nós (lembrando que perdi horas na fila do Bob's lá no RiR).
Quanto ao áudio e luzes, apesar da equipe Coldplay ter deixado tudo muito bem feito, a cidade do Rock sai na frente, mas isso também é de se esperar, uma vez que ela foi projetada especificamente para a realização desse tipo de evento. Isso tudo me faz pensar em como teria sido lindo estar naquele show de 2011 em que eles estiveram no RiR...

Enfim, são esses os pontos que ficaram na minha memória e que não quero esquecer, fiquei bem super feliz de ter estado lá, valeu a pena demais :)